A SEGURANÇA EM CLOUD COMPUTING

Compartilhe!


cloud_computing_segurança

Para empresas com dados críticos que possuem uma rede crescente, a migração para a ‘nuvem’ tornou-se uma realidade. Essa migração traz muitos benefícios, como redução de  custos e de mão de obra qualificada. No entanto, destacaremos uma vantagem considerada essencial:  a segurança em Cloud Computing.

Não podemos dizer que servidores ‘fora da nuvem’ estarão menos seguros, ocorre que a implementação de sistemas de segurança em um servidor virtual (na ‘nuvem’) é mais flexível e menos trabalhosa. Algumas proteções, por meio de firewalls (via software ou via hardware), por exemplo, permitem um controle diretamente na máquina host (máquina que hospeda o servidor virtual). Assim, é possível bloquear, de forma eficiente, ataques como os do tipo negação de serviço (Denial of Service – DoS) que está entre as 9 ameaças contra o cloud computing (de acordo com CSA, Cloud Security Alliance). Listadas em: https://cloudsecurityalliance.org/download/the-notorious-nine-cloud-computing-top-threats-in-2013/ É possível realizar também algumas ações proativas diretamente no servidor virtual para diminuir ou até mesmo evitar acessos indevidos por terceiros. Seguem algumas delas: 1. Definir controle de acesso

Definir usuários diferentes com privilégios diferentes. Ex.: Um administrador de banco de dados terá acesso restrito apenas à manutenção de banco de dados.

2. Proteger os dados que são mais críticos

Definir proteções (exemplo: criptografia) nos dados mais sensíveis do servidor e incluir sistemas de monitoramento nos serviços.

3. Proteger as senhas dos serviços

Alterar as senhas regularmente, optando sempre por mais fortes, misturando números e letras (maiúsculas e minúsculas).

A Task oferece ferramentas para proteção e recuperação do servidor virtual, com proteções por firewall, monitoramento de todos os serviços e backups externos que podem ser contratados em qualquer plano. Saiba mais acessando nosso site: http://www.task.com.br/servidor-virtual Texto escrito por Matheus Fernandes – Administrador de Redes da Task

Compartilhe!


0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *